ABOUT                       RECIPES                       LIFE                       WORK                       FACEBOOK                       PINTEREST



Party mood.




Há pouco mais de um mês, fui surpreendida com um simpático e irrecusável convite do projecto Simplesmente Baby: contribuir com algumas receitas para a sua rubrica apetitosa chamada "À volta da mesa".
Todos os domingos, neste site cheio de bom gosto dedicado às famílias e aos mais novos, é agora publicada uma receita ou uma sugestão ligada à cozinha. A meu lado nesta aventura de sabores estão mais quatro bloggers cujo trabalho adoro:  a Ana, do Tapas na Língua, a Sandra, do Marmita, a Inês, do Ananás e Hortelã e a Susana, do No soup for you.

Estes cake pops foram a minha primeira sugestão e são uma perdição.
Parece complicado, mas garanto-vos que podem e devem mesmo tentar fazer isto em casa.
Depois de algumas experiências boas e menos boas (do género de ter cake pops a rachar ou a escorregar pelo palito), acho que cheguei à receita perfeita. Estes estão revestidos de cor-de-rosa, mas podem escolher de entre muitas outras cores disponíveis nas lojas de artigos para bolos ou usar até um chocolate de culinária que derreta bem. Deliciosos vão ficar com certeza.

E este domingo, volto a ser a convidada do S Baby. O que irá sair desta vez? Para não perder pitada é só fazer like aqui.














CAKE POPS DE CHOCOLATE
(para cerca de 50 unidades ou mais...)


Bolo:
2 ovos
1 chávena* de açúcar amarelo
1/2 chávena* de óleo vegetal
1/2 chávena *de água a ferver
65 g de chocolate em pó (ou 1/2 pacote)
1 chávena de farinha sem fermento
1 colher de chá de fermento em pó
*250 ml de capacidade

Ganache:
200 ml de natas
200 g de chocolate de culinária

Cobertura:
400 g de Candy Melts ou outras pastilhas coloridas de chocolate para fundir, ou  sucedâneo de chocolate para fundir (há colorido e resulta muito bem).

E ainda, 50 pauzinhos de cake pops (pode usar palitos de espetada, mas os de papel aderem melhor às bolinhas)
Sprinkles coloridos
3 bases de esferovite  (ou 3 ‘oásis’ de florista)

Pré-aqueça o forno nos 180º.
Unte bem uma forma pequena (14 ou 16 cm de diâmetro) com manteiga e polvilhe com farinha; forre o fundo com papel vegetal e volte a untar/polvilhar.
Coloque a água a ferver.
Com um batedor de varas, bata os ovos com o açúcar.
Junte o óleo, de seguida a água, e mexa bem.
Junte o chocolate, dissolva bem.
Envolva a farinha e o fermento.
Verta na forma e leve a cozer cerca de 25 minutos ou até um palito sair limpo do interior do bolo. Desenforme sobre papel vegetal e deixe arrefecer completamente.
Faça a ganache, partindo o chocolate em pedaços para um taça de vidro ou metal. Leve as natas a ferver e verta-as sobre o chocolate. Espere uns minutos e mexa com um batedor de varas até obter um creme liso e brilhante. Deixe arrefecer.
Quando o bolo e a ganache estiverem frios, desfaça o bolo para uma taça grande (reserve algum bolo para o caso da massa ficar demasiado mole) e junte aos poucos ganache amassando com as mãos (à partida não vai precisar da ganache toda). Para testar se a massa está no ponto, faça uma bolinha e espete um palito de cake pop: a bolinha não deve rachar. Derreta em banho-maria a cobertura escolhida (a água do recipiente de baixo não deve tocar no recipiente da cobertura), transfira-a para um copo alto, onde possa mergulhar os cake pops. Faça bolinhas (um pouco mais pequenas do que brigadeiros) e coloque-as sobre papel vegetal. Mergulhe a ponta de um pauzinho de chupa-chupa na cobertura e espete-o numa bolinha até cerca de metade desta. Repita a operação com as restantes bolinhas.  Fixe quais foram os primeiros cake pops que fez, para começar a cobrir esses, pois já terão o pauzinho mais firme.  Mergulhe cada cake pop no copo da coberura, retire, rode o cake pop suavemente para retirar o excesso de cobertura, salpique com os sprinkles (coloque uma taça grande por baixo, para aparar os que caem) e espete em esferovite ou ‘oásis’ de florista até secar.



Agrião aos molhos.








Aos anos que andava para fazer este bolo.
Quem me deu a receita foi uma antiga colega de trabalho, que volta e meia o levava para a agência de publicidade onde trabalhávamos (obrigada, Sandra R.).
Lembrava-me do seu sabor doce e do leve travo ao agrião, mas já não me lembrava que a cor era assim tão intensa.

Hello Spring!















Este ano o Inverno parecia querer prolongar-se pela estação seguinte.
Destes primeiros meses de 2014, vão ficar nas nossas memórias os intermináveis dias de frio e chuva, o céu permanentemente cinzento e uma certa tristeza silenciosa que nos atava os pensamentos e a vontade de fazer.

A minha primeira granola.




































Como foi possível esperar tanto tempo para fazer granola?
Desde há dois dias, quando finalmente resolvi limpar as prateleiras das embalagens de sementes e frutos secos que por lá andavam perdidas e esquecidas, que me faço constantemente esta pergunta. E não tenho nenhuma resposta que justifique a falha.

Post de uma foto só.














Acho que já fiz folhados de alheira de todas as formas e feitios: grande, com a alheira misturada com grelos ou espinafres, para servir à fatia; a mesma combinação mas em doses individuais, para servir como entrada; em meia-luas pequeninas, tipo rissóis, para um almoço ou jantar volante.
Estas versões não são nada complicadas, mas especialmente em dias de festa, procuro atalhos até para as receitas mais fáceis, porque normalmente o número de convidados cá em casa chega às três dezenas, como aconteceu este domingo, no aniversário do pirata maior.

O drama dos domingos à noite.






Em casa dos meus pais nunca se janta - ou melhor, nunca se cozinha à noite - ao domingo.
Em casa dos meus sogros existe o mesmo hábito, o que me simplificou a vida nos primeiros tempos de casada.
Mas não quer dizer que não se coma. Normalmente faz-se uma refeição leve, com sobras do almoço, ou então faz-se um lanche mais tardio, com chá e torradas.

Be my valentine.



O dia de S. Valentim passaria despercebido, aqui por casa, se não fossem os rapazes a falar nisso e a fazer alguns pedidos relacionados com a data para levar para a escola.
Mas se é verdade que não há dias marcados para mimar aqueles de quem gostamos, nada impede que o dia 14 de Fevereiro seja especial.